Eu tenho saudade de tantas coisas boas e tantas coisas vãs. Por isso descrevo, anoto tudo, assim completo o meu álbum mágico da felicidade...

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Débora's right


(...) Quero dizer que te amo, de uma forma que se eu pudesse medir, meus braços não alcançariam, tamanha seria a distância. Por mais tempo que eu passe sem te ouvir ao telefone, nunca parece-me existir alguma saudade entre nós. Te quero tanto e tão bem... é preciso que você saiba que lembro de você diariamente, com o mesmo gosto e o mesmo cheiro de licor mentolado. E todas as tuas infinitas particularidades me atraem. É que eu nunca vi tamanha mulher em uma menina... e não sei bem explicar; se você conseguisse ver seu espelho, veria ensimesma o quanto de grande em pequena poesia você se faz. E assim como páginas recicladas arrancadas de um livro, você mais uma vez foge para se juntar ao sol. Menina, bonita; de vestido florido e cabelos lisos ou encaracolados vai na ponte do Recife... Logo atrás eu te sigo correndo, tentando agarrar-me em teus fios negros. Queria só roubar teu coração para bordar no meu peito...



[Dedicado... a uma das raras que mais me incentivam a dedilhar tantas palavras e a quem deposito sinceramente muito da minha confiança e amizade, até onde esses olhos decidirem brilhar...]


Desenho por: Débora Santos

5 Expressão(ões):

julio.de.castro disse...

ah, e o que seria da vida sem isso, que nomeamos (com certo desdém) de sentimentalismo?

sentimentalismo é "mara".

Julio Melo disse...

uia, massa...
é o pai...
hehe
teriam q ser braços beeeem grandes...
...]]


...

rio selvagen disse...

se todas pessoas desse mundo fosse sentimental,talvez ele seria melhor...

Rafael Velasquez disse...

será que não irá doer esse bordado? rs

achei bonito isso.

Débora Santos disse...

Ma belle...
Amo-te!